Quem é o legítimo Sucessor d`El Rei D. Manuel II?

Espaço dedicado a questões relativas à sucessão d'El Rei D. Manuel II assim como a questões de Genealogia e Heráldica.

Moderador: Beladona

Responder
doiseme
Utilizador
Utilizador
Mensagens: 67
Registado: 19 de fevereiro de 2008 às 02h29

Mensagem por doiseme »

Meu de longa data amigo MKI

Quando existe um filho varão , mesmo mais novo que senhoras, a sucessão vai para o filho varão . Sempre foi assim.
A Lei Sálica diz que não pode existir uma quebra de varonia. Ou seja a sucessão nunca pode passar por uma senhora.
Repara que mesmo cá em Portugal, a Senhora D. Maria I casou com o tio, o Infante D. Pedro, irmão de D. José. E o mesmo foi tentado com a futura Dona Maria II em relação ao Senhor Dom Miguel I. Com a Casa Lafões, onde já houve duas quebras de varonia, conseguiram sempre casar as senhoras onde foi parar a sucessão , com homens que embora não fossem Braganças estavam bastante aparentados com a Casa Real. Assim podem, hoje em dia e sem grande escândalo, continuar a usar Bragança.
A minha insistência em apresentar estes argumentos, não visa pessoas em concreto, mas todos aqueles que se interessam pelas leis que regem a sucessão em Portugal, e são muitos.

um abraço

doiseme

Churchill
Utilizador
Utilizador
Mensagens: 79
Registado: 26 de abril de 2007 às 16h18

Mensagem por Churchill »

Mk1 Escreveu:Sr. Doiseme

Em Espanha existe lei Sálica. Estão a pensar altera-la por causa da princesa Leonor.
Está a fazer confusão . Em Espanha não existe Lei Sálica nem nunca existiu. Senão como teria tido raínhas como Isabel I e Isabel II, a Católica ?

Em Espanha como em Portugal existiram sempre regimes de sucessão mista ou agnática-cognática. Isto é, no mesmo grau há diferenciação no sexo, mas na falta de herdeiro masculino herdam as mulheres nesse mesmo grau. Ao subir de grau aplica-se o mesmo critério.

O que se discutiu em Espanha foi a eventual mudança para um regime de sucessão cognática puro. Isto é, tendo apenas a primogenia como critério. Nos dias de hoje já é indiferente o sexo do monarca.

Existem mais raramente um tipo de sucessão mais peculiar, como a que existiu no Mónaco até há relativamente pouco tempo, que é a lei semi-sálica. Ela consiste em criar uma linha sucessória só de varões por primogenitura e grau de ascendência, mas com a ressalva de na eventualidade de se extinguirem todos os herdeiros varões legítimos até ao grau mais distante poder suceder a herdeira mais próxima do último titular.

doiseme
Utilizador
Utilizador
Mensagens: 67
Registado: 19 de fevereiro de 2008 às 02h29

Mensagem por doiseme »

Meu caro Valdez

Olhe que o Infante Dom Pedro, nunca foi D. Pedro I, mas conhecido como "o Regente" ou "das sete partidas".

doiseme

JoseRey
Utilizador
Utilizador
Mensagens: 38
Registado: 20 de fevereiro de 2008 às 18h11

Mensagem por JoseRey »

Acho muito mais triste,não encontrar referencia nenhuma nem nos media nem nos sites e blogs ditos monárquicos a uma referencia que seja evocativa da ultima aclamação em Portugal...6 de Maio de 1908...faz hoje precisamente 100 anos.
A aclamação de D.Manuel II,o rei traído!
Um povo sem memória é um povo sem futuro.
::king::

leonidas__
Monárquico
Monárquico
Mensagens: 148
Registado: 13 de maio de 2007 às 18h29
Localização: odivelas

Mensagem por leonidas__ »

Caro Jose Rey isso é falso

O site realistas está a publicitar o reinado de D. Manuel e a aclamação está lá

No bolg "sentido de estado" também se fez referência

No site SomosPortugueses

e no Diário JN

Todos evocaram a data...mas ,claro!...aqui não e não é de estranhar

bem haja

Avatar do Utilizador
iznoguud
Regente
Regente
Mensagens: 2768
Registado: 23 de abril de 2007 às 09h40

Mensagem por iznoguud »

Jose Rey Escreveu:Acho muito mais triste,não encontrar referencia nenhuma nem nos media nem nos sites e blogs ditos monárquicos a uma referencia que seja evocativa da ultima aclamação em Portugal...6 de Maio de 1908...faz hoje precisamente 100 anos.
A aclamação de D.Manuel II,o rei traído!
Um povo sem memória é um povo sem futuro.
Respeito a sua posição , mas creio que para se celebrar a última aclamação de um Rei em Portugal, teria também de celebrar a 1ª, 2ª, 3ª, por aí fora. Isto no meu entender.

Evocam-se momentos ímpares, momentos singulares, momentos que assumem uma importância tal na nossa história que marcam esta para sempre. A Nacionalidade, a Batalha de Aljubarrota, as Descobertas, a Restauração , entre outros momentos serão para mim momentos que assumem essa importância.

A aclamação d'El Rei D. Manuel II, foi apenas isso, a última aclamação de um Rei em Portugal. Se esta representa para o meu caro amigo uma importância que justifique tal recordação , por quem seja, relembre aqui a mesma aclamação , exponha o que sente ao passar da data desta aclamação neste ano centenária. Dou-lhe a palavra para que a todos nos toque com a sua posição relativa a este evento.
leonidas__ Escreveu:...Todos evocaram a data...mas ,claro!...aqui não e não é de estranhar
Quantos aos outros isso não me diz respeito, como bem deve entender.

Quanto aqui o meu caro, tanto quanto eu saiba, nunca veio ter com a administração ou publicamente perguntar se esta data seria evocada, ou propor que a mesma o fosse visto o grau de importância que esta, aparentemente, assume para si.

Igualmente, creio, que o meu amigo para além de ser membro deste espaço igualmente não evocou esta efeméride. Pelo menos neste espaço, logo devo considerar que o mesmo evento afinal não deve ser assim tão importante quanto isso, senão te-lo-ia relembrado não ?

Não percebo igualmente o que o leva a afirmar que "...não é de estranhar..." que aqui não se evoque esta data ou dá a entender outras situações. Permita-me perguntar-lhe o que o leva a fazer tal afirmação ?

IzNo

Responder